top of page

O que acontece no seu corpo quando você para de beber álcool?



Uma semana sem álcool. Um janeiro seco. Beba só nos finais de semana. Beba menos, seja o seu melhor. Estas frases são exemplos de slogans utilizados em campanhas de saúde idealizadas em diferentes partes do mundo para estimular a redução do consumo de bebidas alcoólicas. Diante dessas, a ordem é adotar aquela regra onde o menos vale mais.


Prejudicial para todos, independente da idade, sexo, gênero, etnia, tolerância ou estilo de vida, o álcool se relaciona com mais de 200 doenças diferentes. Isso significa que, ao investir na abstinência ou na redução de seu consumo, você fica fora de uma estatística que conta 3 milhões de mortes por ano resultantes do seu uso inadequado em todo o mundo.


- Esse dado representa 5,3% de todas as mortes;

- 43% da população com idade superior a 15 anos consumiram a bebida no último ano;

- 14 anos é a idade na qual os adolescentes tomam a primeira dose nas Américas;

- Cerca de 13,5% do total de óbitos são atribuíveis a ele, na faixa de 20 a 39 anos;

- 1 em cada 12 adultos (8,2%) nas Américas tem transtornos relacionados, quase o dobro da média mundial (5,1%),

- A região tem maior prevalência de transtornos relacionados ao álcool em mulheres, e a segunda maior entre homens.


O que você ganha com isso?


As evidências científicas sobre a relação existente entre a abstinência ou a moderação do consumo de álcool e a reversão dos impactos negativos da substância em todo o corpo são bastante estabelecidas.

No curto prazo, além do sumiço das ressacas, é comum observar uma melhora nos níveis de energia, da hidratação, do aspecto da pele, além de mudanças no peso, já que haverá menor consumo de calorias.

A longo prazo, os lucros são distribuídos por todos os sistemas do organismo, destacando-se:

- Mais saúde para o fígado;

- Menor risco de pneumonia;

- Melhora da performance sexual;

- Prevenção e controle de doenças cardiovasculares;

- Blindagem contra alguns tipos de câncer,

- Mais saúde para o feto Cérebro afiado.


Você se livra de doenças hepáticas


Entre todos os órgãos afetados pela ingestão exagerada do álcool, o fígado é o que mais sofre. A razão para isso é que ele é responsável por 97% do metabolismo do álcool. O restante é eliminado pelo suor, pela urina e a respiração. Ele também é o responsável pela eliminação de toxinas ingeridas ou produzidas pelo organismo.

Os danos são progressivos, e começam com a formação de gordura no fígado. Se o consumo continua, aparece a esteato-fibrose. De 10% a 35% desses quadros evoluirão para a hepatite alcoólica; a partir deste estágio, 40% a 60% dos pacientes terão cirrose hepática com suas complicações —hemorragia, ascite, a popular barriga d'água, encefalopatia—, além do risco de 2% a 4% ao ano de desenvolver tumor no fígado. O tempo desse processo é de 10 a 15 anos. As mulheres metabolizam o álcool de forma diferente da dos homens e ainda possuem mais gordura corporal. Esses fatores fazem delas mais suscetíveis aos danos.

Com a abstinência, porém, a gordura do fígado e a hepatite alcoólica são frequentemente reversíveis, e há aumento nas taxas de sobrevida nos quadros da inflamação persistente e cirrose.


Você, enfim, consegue respirar fundo


O álcool é considerado um fator de risco para pneumonias adquiridas fora dos hospitais. E basta ingerir de 10 g a 20 g de álcool diariamente para somar 8% a mais do risco de ficar doente. Os dados foram publicados pelo periódico British Medical Journal. Relatório da OMS indica que, para além da doença, a substância também atrapalha o tratamento, o que eleva a chance de óbito.


Você tem mais facilidade para entrar no clima


As pesquisas médicas já confirmaram a relação positiva entre abstinência do álcool e melhora da disfunção erétil — especialmente quando não há lesões no fígado, o paciente é jovem e o período de tempo do consumo do álcool é menor, assim como o número de doses consumidas diariamente. Os dados foram publicados no The Journal of Sexual Medicine.


- A expectativa, entre todos os gêneros, é que as bebidas alcoólicas sejam capazes de esquentar a vida sexual;

- A realidade é que exageros levam à ejaculação precoce, disfunção erétil, insatisfação com o orgasmo e à perda da libido;

- A disfunção erétil é a queixa mais comum,

- Mais desinibidas, as pessoas fazem sexo desprotegido ou com múltiplos parceiros, e ainda podem se ver forçados a essa prática, o que as expõe a outros riscos, como ISTs (infecções sexualmente transmissíveis).


Você mantém o coração em bom estado


Parar de beber ajuda na prevenção e no controle da hipertensão (pressão alta), fibrilação atrial, insuficiência cardíaca, AVC (acidente vascular cerebral), além de alterações na pressão sistólica e diastólica (contração e relaxamento) do coração. Todos esses quadros estão relacionados à ingestão excessiva de bebidas alcoólicas.


- Os grandes vilões nessas situações são o etanol e o acetildeído, a primeira reação metabólica ao álcool promovida pelo organismo;

- Deficiências de nutrientes e níveis aumentados de toxinas no corpo aceleram esses resultados;

- Ao longo do tempo, o músculo do coração enfraquece (cardiomiopatia alcoólica). O aumento de risco de morte por hipertensão é de 7%. A pressão aumentada ainda pode levar a danos nos rins,

- A doença cardíaca hipertensiva foi a principal causa de morte decorrente do uso do álcool entre as brasileiras em 2020. Os dados são da Cisa.


Você passa longe dos tumores


Há décadas o álcool foi classificado como cancerígeno pela Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer. E ele está no mais alto grupo de risco, que inclui o tabaco e a radiação.

Uma série de fatores influenciam nesse sentido, desde alterações indiretas no DNA até sinergia com outros agentes causadores da doença. Além disso, o álcool reduz os níveis de oxidantes (vitaminas A, E, zinco e ferro, do complexo B, ácido fólico e tiamina), e ainda enfraquece as defesas do corpo.


- Garganta, pulmão, esôfago, estômago, reto, fígado e mamas são os órgãos mais afetados. - Entre as mulheres, mesmo o consumo de pequenas quantidades parecem potencializar o risco para o câncer de mama.

- De modo geral, a relação entre tumores e álcool é dose dependente. Quanto mais se consome, maior é o risco.


Você garante o bom desenvolvimento do seu bebê


Uma das proibições absolutas entre mulheres grávidas é o consumo de álcool. É que a substância pode resultar em transtornos do espectro alcoólico fetal, um conjunto de deficiências físicas, mentais e comportamentais. A síndrome alcoólica fetal e o transtorno de neurodesenvolvimento são exemplos.

Crianças que vivem em instituições, unidades para menores infratores ou que recebem educação ou atenção clínica especializadas têm de 10 a 40 vezes mais risco de apresentar o problema comparado à população em geral.


- Basta beber 60 g de álcool por semana, ou mais de 30 g em apenas duas ocasiões na gravidez;

- Possíveis sintomas no bebê: alterações faciais, no crescimento, no SNC (sistema nervoso central) como perímetro cefálico reduzido e convulsões não relacionadas a febre,

- Dificuldades de percepção, aprendizagem, memória, atenção, regulação do humor e controle do comportamento também podem estar presentes.


Você joga a favor do seu cérebro


Quando o assunto é a saúde cerebral, não existe consumo seguro em todas as faixas etárias. Deixar de beber tem como efeito imediato a redução dos seguintes quadros:


- Dor de cabeça (incluindo enxaqueca);

- Mudanças no sono;

- Deficiências cognitivas (redução da atenção, controle, julgamento, concentração, etc.);

- Perda da memória e apagões Intoxicação (deficiências psicomotoras),

- Perda das funções básicas - uma overdose pode desacelerar a respiração, o coração, etc.


A longo prazo, podem ser observadas a melhora de sintomas e condições:


- Sono, humor e de doenças psiquiátricas (ansiedade e depressão);

- Pensamentos suicidas e suicídio;

- Demência (que pode ser precoce);

- Dependências,

- Perda de funções executivas como raciocínio, planejamento, controle inibitório, etc.


Mesmo bebendo menos, o risco permanece


É verdade que muitas pesquisas concluem que o consumo de pequenas quantidades de álcool ajuda a prevenir o diabetes, a doença isquêmica do coração, a demência e até o declínio cognitivo. O fato é que, até agora, não ficou esclarecido o quanto seria essa quantidade capaz de promover a saúde.

De olho nos malefícios que o álcool tem causado em todo o mundo, as mais importantes autoridades sanitárias, incluindo a OMS, reconhecem que não dá para se falar em volume seguro de álcool porque não se pode saber como cada organismo reagirá à substância.

Tenha em mente que o álcool é considerado uma substância psicoativa com potencial de causar dependência, e tem impacto negativo sobre o organismo.


- A regra de ouro para quem deseja preservar a saúde é abster-se do álcool;

- Um consumo moderado, que é considerado de baixo risco, corresponderia a 1 dose para mulheres, e até 2 para homens ao dia;

- Cada dose padrão de bebida contém o equivalente a 10 g/14 g de álcool puro, o que corresponde a: 1 copo de cerveja (255 ml); 1 taça de vinho (100 ml); 1 dose de destilado (30 ml),

- Nas Américas, 25% da população geral reconhece que consome mais de 60 g de álcool puro (cerca de 6 doses padrão para homens) e mais de 40 g de álcool puro (mais de 4 doses para mulheres), pelo menos uma vez por mês, o que caracteriza o chamado beber excessivo episódico.


Coloque uma meta, só não vale dobrá-la!


Se você se animou com as vantagens de cortar ou reduzir o álcool, adote as seguintes medidas:


- Conte quantas doses consome a cada semana e vá reduzindo gradualmente, até conseguir não exceder os limites que representam menor risco para a saúde;

- Quando estiver bebendo, beba mais devagar;

Ingira mais água enquanto bebe;

- Para cada bebida alcoólica, tome outra sem álcool;

- Coma antes e durante o consumo ou prefira beber somente durante o jantar;

- Observe o rótulo das bebidas e prefira as que possuam menor teor alcoólico,

- Varie as opções de lazer. Sair para beber com os amigos não precisa ser sua única opção.

4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page